terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

"O 'amém' que digo não é alienado. Nele todas as minhas mazelas humanas 
encontram repouso. Deus não me solicita absurdos. É no bom senso que o sigo. 
Nunca me comparo aos que se dizem mais santos, mais corretos. 

Meu referencial é outro.Eu não me envergonho de pertencer ao último grupo. 
O dos que erram, dos que se perdem no caminho, dos que ousam acreditar que 
Deus é amor. Foi no silêncio da madrugada que Jesus solicitou os seus amigos. 
Ele viu de perto a dor de ser só.

Foi assim que Deus entrou na minha vida. Sem glória e sem garbo. 
Chegou, sentou-se ao meu lado e falou a minha língua.Eu nunca careci de 
milagres para Nele crer. O que Nele me fascina é sua capacidade de enxergar 
o ouro que no monturo se esconde.

A mesa posta não era para os convidados, mas para os maltrapilhos, 
os rejeitados. Revolucionária forma de resgar os véus do templo. Deus não mora 
na guerra santa.Na tentativa de chegar a Deus alguns de nós se limitam à religião.

Se minha fé sobrenatural não se desdobrar em caráter, corro o risco da 
alienação religiosa. Uma coisa eu peço a Deus. Que eu nunca alimente a idiota 
pretensão de me achar melhor que os outros. Nós nos construímos aos poucos. 
No que escolhemos dizer, ver, ouvir, sentir e pensar. É assim que o Reino de Deus 
se antecipa na história: na subtração do mal, no movimento 
que fazemos para que o bem prevaleça."

((Pe Fábio de Melo))

Um comentário:

guiomar disse...

Jesus é maravilhoso com seus filhos, ELE não escolhe as pessoas para amar para sentar perto dele. Quando Jesus andou pelo mundo pregando a palavra de Deus ELE nunca procuraria casa de ricos para entrar, para se alimentar, pelo contrário só o encontrava nas casas de pessoas simples que muitas vezes não tinham nada para se alimentar. ELE sempre foi assim.